segunda-feira, 29 de Junho de 2009

Rolinhos de massa recheados

Fazendo apenas uso dos produtos que habitam permanentemente a minha despensa e dos espinafres que sempre tenho no congelador, apareceram para jantar estes rolinhos e foram muito elogiados, a Piolha quase que me deixava sem recheio suficiente enquanto me ajudava e com a desculpa de provar para ver se o tempero estava certo.


Usei:

10 Placas de massa fresca de espinafres ou de lasanha
240g de filetes de atum em azeite
1 Cebola roxa cortada em laminas
2 Dentes de alho esmagados
Cebolinho picado a gosto
1 Requeijão
2 Ovos
Parmesão ralado q.b.
Molho bechamel q.b.
Sal & pimenta
Azeite

Fiz assim:

Se usar massa de compra amoleça-a em água quente.
Corte a cebola em lâminas usando uma mandoline e leve a amolecer no azeite quente juntamente com o alho.
Junte o atum escorrido e esmagado e envolva bem, por fim junte o cebolinho picado e tempere de sal e pimenta, envolva e retire do lume.
Junte o requeijão desfeito e os ovos batidos.
Unte um prato de forno com manteiga, e pré aqueça o forno a 180º.
Coloque um pouco de bechamel no fundo do prato.
Estenda a massa, barre com o recheio e corte os rolos ao meio, disponha no prato de forno e cubra com o restante bechamel, polvilhe com o parmesão e leve ao forno a gratinar.

Notas:

Podem ser usados outros tipos de recheio conforme o gosto pessoal ou a disponibilidade de ingredientes.
Não pré cozi a massa fresca, por isso nos primeiros minutos de forno tapei o prato com folha de alumínio para não queimar.
Adaptado de : “Massas” da Naumann & Göbel

sexta-feira, 26 de Junho de 2009

Bolinhos de chocolate com cobertura de manteiga de amendoim

Esta semana o Tachos de Ensaio completou 2 anos de vida, e por isso pensei fazer um bolo para assinalar a ocasião. Depois de pensar e pensar sobre que bolo fazer decidi-me por uns “cup cakes”, o chocolate é o meu ingrediente de paixão assim como me apaixonei por este cantinho na aldeia global onde vivemos.
Obrigada a todos os que lêem o Tachos, e embora a comemoração este ano não seja tão grandiosa como no ano passado, o espírito de partilha continua a ser o mesmo.



Usei:
(bolinhos)

265g de farinha auto levedante
4 c sopa de farinha sem fermento
½ c chá de fermento em pó
3 c sopa de cacau em pó
150g de manteiga sem sal
165g de açúcar mascavado escuro
170 ml de leite
2 Ovos
125g de chocolate amargo picado

(cobertura)
¼ Chávena de manteiga sem sal
¼ Chávena de manteiga de amendoim cremosa
¼ Chávena de mascarpone
½ c chá de extracto de baunilha
1 Chávena de açúcar em pó
Leite q.b. (+ ou – 1 c sopa)

Fiz assim:

Prepare 24 mini formas de papel frisado.
Pré aqueça o forno a 180º.
Peneira as farinhas, o fermento e o cacau para uma tigela. Reserve.
Leve a manteiga e o açúcar a lume brando mexendo sempre até o açúcar dissolver. Retire do lume e reserve.
Bata os ovos com o leite, num recipiente à parte.
Junte o chocolate picado aos ingredientes secos, faça uma cova ao meio e deite aí a mistura de ovos assim como a manteiga com o açúcar.
Misture grosseiramente sem bater só até misturar.
Encha as forminhas até 2/3 da capacidade e leve ao forno durante 10 ou 15 minutos.
Retire e deixe arrefecer.
Bata todos os ingredientes da cobertura até obter um creme, coloque no saco de pasteleiro com um bico canelado largo e decore os bolinhos.

Créditos:

Bolinhos: “Le Cordon bleu” – Muffins
Cobertura:
brownies for dinner

quarta-feira, 24 de Junho de 2009

Bacalhau no forno à moda da casa

Esta maneira de preparar o bacalhau sempre se usou em casa dos meus pais e a minha mãe costumava chamar-lhe “versão aldrabada de bacalhau à Gomes de Sá”.
È uma forma diferente de apresentar o bacalhau cozido com legumes com a vantagem de poder ser preparado com antecedência e de ir para a mesa já temperado e com uma apresentação agradável.





Usei:

3 Postas de bacalhau
8 Batatas médias
3 Ovos
2 Cenouras
3 Cebolas médias
1 Dente de alho
Sal & pimenta
½ Chávena de azeite
Azeitonas pretas
Salsa picada para servir

Fiz assim:

Depois de demolhado, coza o bacalhau sem o deixar desfazer. Retire do lume, escorra e deixe amornar um pouco.
Corte as batatas e as cenouras em rodelas e leve ao lume a cozer. Coza também os ovos.
Retire a pele e a espinha ao bacalhau e desfaça-o em lascas grossas. Descasque os ovos e corte-os ás rodelas.
Leve ao lume o azeite com o dente de alho, quando estiver quente deite a cebola ás rodelas finas e tempere de sal e pimenta, mexa de vez em quando até murchar.
Num recipiente de forno disponha uma camada de batata e cenoura, por cima disponha o bacalhau e metade dos ovos, volte a fazer uma camada com as restantes batatas e cenouras, por cima coloque os restantes ovos e regue com a cebolada, enfeite com as azeitonas e leve ao forno quente até alourar.
Retire do forno e polvilhe com salsa picada.

Notas:

Este prato pode ser preparado com antecedência e apenas finalizado no forno na hora.
Pode adicionar brócolos ou couve-flor.

segunda-feira, 22 de Junho de 2009

Salada fria de couscous e legumes assados

Sou uma pessoa completamente diferente no Verão, a minha energia abandona-me e ando constantemente cansada e rabugenta.
O calor faz-me perder o apetite e consequentemente a vontade de cozinhar, apetece-me comida leve, fácil e deixa de me apetecer doces, o que faz com que neste tempo normalmente perca peso.
È normal começarem a surgir muitas saladas como refeição e se preparadas com antecedência para que estejam prontas quando chego, melhor ainda, é o caso desta delicia que foi inspirada
neste post do Luis.



Usei:

1 Courgette
1 Cenoura
½ Pimento vermelho
1 Tomate
3 Dentes de alho
1 Fio de azeite
Orégãos
Sal
½ Chávena de couscous

Fiz assim:

Corte os legumes em cubos e coloque num saco de assar no forno ou faça a técnica do papelote com papel vegetal.
Tempere de sal, polvilhe com orégãos e regue com um fio de azeite, feche o saco ou papelote muito bem de maneira a reter os sucos da assadura dos legumes.
Coloque no forno a 200º durante 20 minutos, ou até os legumes estarem macios.
Retire do forno e deite os legumes com o respectivo molho numa tigela, deixe amornar.
Junte o couscous e envolva com um garfo. Tape o recipiente com película e deixe repousar no frigorífico até a sêmola absorver o suco dos legumes.
Sirva a salada bem fria.

Notas:

Os legumes que usei eram os que na hora tinha disponíveis, podem ser usadas outras combinações a gosto.
Acredito que esta salada resultará também muito bem se usar-mos bulgur.

Adaptado de:
Outras comidas

sexta-feira, 19 de Junho de 2009

Gelado de menta com pepitas de cacau

Sabem aquele ditado que diz: “quanto mais me bates mais eu gosto de ti”?! Com a menta do meu jardim é: “quanto mais me cortas mais eu cresço “.
Segundo o livro: “The flavor bible” a menta chocolate é assim chamada porque é a única erva aromática que combina com este alimento dos deuses, ora sendo eu uma chocodependente e uma apaixonada por ervas aromáticas não podia deixar de fazer esta maravilha.
No que respeita a sobremesas os gelados são sempre a minha ultima escolha, mas com este eu rendi-me…


Versão de impressão e arquivo

Usei:

400 ml de natas
350 ml de leite
1 Chávena de açúcar
6 Gemas
2 Chávenas de folhas frescas de menta chocolate
1 c chá de extracto de menta com base alcoólica (ou vodka)
160g de nibs de cacau (ou chocolate forte picado)

Fiz assim:

Lave muito bem as folhas de menta e seque com papel de cozinha.
Leve o leite e 200 ml de natas ao lume, junte as folhas de menta, e assim que começar a querer levantar fervura retire do lume, tape e deixe em infusão até quase arrefecer.
Bata as restantes natas com um pouco do açúcar da receita e quanto estiverem firmes reserve no frigorifico.
Volte a aquecer o leite com a menta. Retire do lume e passe pelo passador pressionando as folhas para retirar todo o líquido, descarte as folhas e reserve o leite aquecido.
Bata as gemas com o restante açúcar e quando estiverem esbranquiçadas vá adicionando o leite em fio batendo sempre. Leve ao lume mexendo sempre até a mistura cobrir as costas da colher. Retire do lume e deixe arrefecer.
Por fim envolva as natas batidas, o extracto de menta e as nibs.
Coloque na sorveteira, ou em tabuleiro tapado com película no congelador e mexa com um garfo de 2 em 2 horas até solidificar.

Notas:

Como não tinha quantidade suficiente de nibs de cacau juntei um pouco de chocolate negro (70%) picado finamente, o sabor ficou muito bom mas alterou a bonita cor esverdeada da menta.
O extracto de menta que usei foi feito o ano passado e usei vodka como base, a função é manter o gelado cremoso sem alterar o sabor, pode usar apenas vodka.

Adaptado de: Simply recipes

quarta-feira, 17 de Junho de 2009

4 por 6 - Empadão de carne

Um clássico com tantas versões como pessoas que normalmente o incluem nas suas refeições, estou a falar-vos do empadão.
Pode ser de carne, de peixe ou pode ainda ser confeccionado com soja granulada, é um prato que fica sempre económico e pode ser feito com alguma antecedência e apenas finalizado na hora.


Vamos então ao menu do 4 por 6 de hoje.
Para entrada, e como o prato principal é muito económico, vou sugerir a
salada de beringela crocante, e para acompanhar o empadão apenas umas cenouras cozidas no vapor.
Bom apetite!





Usei:

750g de batatas
1 Ovo + 2 gemas
1 c sopa de farinha
30g de pão ralado
Sal, pimenta & noz-moscada
1 Fatia de broa de milho
50g de bacon em cubos
1 Cebola picada
250g de carne picada
Salsa picada a gosto
1 dl de leite
1 c chá de paprika doce

Fiz assim:

Coza as batatas em água temperada de sal, escorra, esmague e deixe arrefecer.
Tempere de pimenta e noz-moscada, junte uma gema de ovo, a farinha e o pão ralado e envolva muito bem até obter uma massa homogénea. Reserve.
Esfarele a broa e coloque a demolhar no leite.
Numa frigideira, frite o bacon. Quando tiver largado a gordura junte a cebola e deixe amolecer. Adicione a carne picada tempere com a paprika e deixe cozinhar bem. Rectifique o sal.
Retire do lume e junte o ovo, a salsa picada e a broa demolhada assim como o leite onde demolhou. Envolva e tempere com um pouco de pimenta.
Faça camadas de puré e recheio de carne num prato de forno, ou coloque o puré e abra uma cova no meio onde coloca a carne. Alise e pincele com gema de ovo.
Leve ao forno quente a gratinar e sirva com as cenouras cozidas no vapor.


Quanto custou?!


Dica de poupança:

Como podem verificar este prato principal é muito económico e versátil.
Para que se torne ainda mais económico use sobras de carne cozinhada e acompanhe com os legumes da sua preferência.
O congelador é um aliado na poupança e organização. Congele pequenas porções para que o congelamento aconteça rapidamente, e mesmo que ache que nunca se vai esquecer do conteúdo das embalagens congeladas coloque mesmo assim uma etiqueta onde também conste a data de congelação.
Congele sobras, bases para sopa, massa para tartes e biscoitos, e aves já com o corte da sua preferência. Desta forma será mais fácil planear as refeições.


Adaptado de : "Cozinha rápida" da Naumann & Göbel

segunda-feira, 15 de Junho de 2009

Esparguete com molho de queijo e pistache

Depois de uma semana intensa de trabalho que exigiu de mim um esforço físico fora do normal, estou a pouco e pouco a tentar retomar a rotina, a verdade é que não estou a conseguir, estou sem cozinhar nada de novo há algum tempo e procuro soluções rápidas e fáceis para as refeições do dia-a-dia, por isso quando vi esta receita não pude deixar de a recriar, é fácil, rápida e sem preparação prévia.



Ingredientes:

300g de esparguete
1 c sopa de manteiga
100g de queijo creme
2/3 Chávena de leite
1/3 Chávena de pistachios
Sal & pimenta q.b.

Preparação:

Coza o esparguete em água a ferver e temperada de sal. Escorra rapidamente de modo a ficar húmido e reserve.
Derreta a manteiga numa frigideira funda e anti aderente, junte o queijo creme e bata até estar ligado. Junte o leite aos poucos e vá mexendo sempre., quando começar a ferver tempere de sal e pimenta, junte o esparguete e os pistachios grosseiramente picados e sirva imediatamente.


Notas:

Nesta receita dei indicação para que a cozedura da massa fosse feita antes do molho porque o molho é muito rápido de preparar, por regra a massa deve ser cozida depois do molho estar pronto, e deverá sempre fazer-se o escorrimento da massa de forma rápida para que a mesma não fique totalmente seca.
Deve reservar-se um pouco da água da cozedura para se for necessário adicionar ao molho.

Fonte:
Simplesmente delicia

sexta-feira, 12 de Junho de 2009

St. Honnoré

Há algum tempo fui jantar com uma amiga a um restaurante italiano.
Se na escolha do prato principal não tivemos duvidas já quando chegou a vez da sobremesa não foi bem assim. Tudo o que estava à nossa disposição era tentador e a vontade era a de provar tudo, acabamos por optar por uma tarte de limão e uma dose de tiramisu, e na montra ficou por provar o St. Honnoré! Pois, ficou na montra e ficou na minha cabeça durante muito tempo…
Até que num daqueles dias que consigo guardar tempo para fazer o que gosto deitei mãos à obra e finalmente tive a oportunidade de me “lambuzar”.


Usei:

(bolo)
150g de açúcar mascavado claro
225g de manteiga sem sal amolecida
4 Ovos
200g de chocolate amargo (70% cacau)
200g de amêndoas raladas
2 c sopa de açúcar branco granulado fino

(calda)
½ Chávena de açúcar
½ Chávena de água
1 c chá de cacau amargo em pó
1 c chá de licor de cacau

(doce de ovos)

1 Ovo inteiro
5 Gemas
250g de açúcar
2,5dl de água

(Profiteroles recheados de chantilly e molho de chocolate)


Fiz assim:

(Bolo)
Comece por preparar uma forma de fundo amovível, forrando-a com papel vegetal e untando com manteiga.
Pré aqueça o forno a 150º.
Funda o chocolate em banho-maria, retire e deixe amornar. Reserve.
Bater as claras em castelo firme com o açúcar branco. Reservar.
Bater a manteiga com o açúcar mascavado, juntar as gemas uma a uma batendo entre cada adição.
Junte o chocolate e as amêndoas e misture bem. Por fim e usando uma espátula de borracha, incorpore delicadamente as claras batidas.
Deite a massa na forma preparada e leve ao forno durante 40 minutos.
Entretanto prepare a calda.
Leve todos os ingredientes ao lume até reduzir um pouco.
Retire o bolo do forno, pique com um garfo e regue com a calda.
Espere até arrefecer antes de retirar o aro.


(Doce de ovos)
Leve o açúcar ao lume com a água até obter ponto pérola, retire do lume e deixe amornar.
Bata o ovo e as gemas juntando a calda morna em fio, como se estivesse a fazer maionese. Volte a colocar em lume brando até engrossar.


(Montagem)
Barre o bolo com uma camada generosa de doce de ovos.
Disponha por cima os profiteroles recheados com chantilly.
Regue com o restante doce de ovos e molho de chocolate.

Créditos:


Bolo de chocolate sem farinha – “Le cordon bleu” / Pastelaria
Doce de ovos – “O mestre cozinheiro”
Profiteroles – “Receitas escolhidas” / Maria de Lurdes Modesto
Molho de chocolate – “Le cordon bleu” / Chocolate

quarta-feira, 10 de Junho de 2009

Pimentos recheados

Muito inspirada pela Suzana e pelo livro “Essencial da cozinha mediterrânica” fiz estes pimentos e deliciei-me.
A vila onde moro é rodeada de campos agrícolas onde as hortícolas crescem férteis a par com as vinhas e os pessegueiros. O pimento, o tomate e o morango são os que se distinguem pela quantidade e qualidade e os campos são bandeiras pelas cores que apresentam.
Nesta altura do ano começa a azáfama da colheita que se irá prolongar até final de Agosto. Neste momento é o morango que é rei e a terminar vamos ter a vindima.
Gosto muito de assistir à azáfama dos camiões e tractores carregados e das pessoas que deixam de estar na fila do desemprego para trabalhar nas colheitas, e claro, da fartura de vermelho.


Usei:

4 Pimentos vermelhos maduros mas firmes
200g de carne picada (usei mistura de porco e vaca)
1 Chávena de arroz selvagem
100g de queijo gruyere ralado na hora
1 Cebola picada
1 Dente de alho esmagado
400g de tomate pelado picado
Azeite q.b.
Sal & pimenta
Orégãos secos
½ Chávena de vinho branco
1 Haste de tomilho fresco

Fiz assim:

Coza o arroz em água com um pouco de sal. Escorra e reserve.
Refogue a cebola e o alho no azeite quente, quando a cebola estiver macia junte o tomate e deixe reduzir.
Junte a carne e mexa enquanto a carne liberta os sucos e perde o aspecto a cru. Refresque com o vinho, tempere de sal e pimenta, junte o tomilho e deixe cozinhar em lume brando.
Corte uma tampa aos pimentos e com uma tesoura retire as sementes e membranas.
Retire a carne do lume e misture o arroz.
Encha os pimentos com esta mistura, cubra com o queijo ralado, polvilhe com orégãos e regue com um fio de azeite.
Leve ao forno pré aquecido a 180º até os pimentos estarem assados.

Notas:

Esta é uma óptima maneira de reaproveitar sobras de carne cozinhada, se for o caso, reduza nos temperos e ajuste as quantidades.

segunda-feira, 8 de Junho de 2009

Noodles com peru marinado em molho de soja e cogumelos

Esta é daquelas comidas que nós cá em casa conhecemos por “comidinha záz-tráz-páz”,
ou seja, fica pronta num instante e depois come-se com prazer.
Tenha em conta o teor de sal do molho de soja quando o comprar, pois devido ao tempo da marinada o prato poderá ficar demasiado salgado. O que aconselho é quando encontrar uma marca que lhe agrade mantenha-se fiel à mesma, desta forma vai conhecendo o sabor e assim pode controlar melhor a quantidade e o tempo da marinada.



Usei:

300g de peito de peru em tiras
1 Chávena de molho de soja
250g de cogumelos frescos laminados
Óleo de amendoim q.b.
200g noodles (massa chinesa com ovo)

Fiz assim:

Coloque o peru num saco de congelação, regue com o molho de soja e reserve no frigorífico durante 1 hora.
Hidrate a massa em água fervente, (ou coza, conforme a sua preferência), e reserve.
Aqueça o óleo no wok e salteie os cogumelos até dourarem. Retire.
No mesmo óleo, (se necessário juntar mais um pouco), salteie também as tiras de peru escorridas da marinada.
Quando o peru estiver dourado junte os cogumelos e os noodles escorridos, envolva tudo muito bem e sirva bem quente.

Notas:

Esta receita também pode ser confeccionada com frango, e podem ser adicionados legumes, no entanto terão de ser salteados durante mais tempo.

sexta-feira, 5 de Junho de 2009

Bolachas de manteiga recheadas de doce de leite

Haver bolo ou bolachinhas para petiscar quando se chega a casa é um hábito por aqui.
Quando tenho de me ausentar durante uma semana inteira, como vem sendo usual desde o início do ano, a “Piolha” diz logo: “Oh… não vai haver bolinhos!” Eu não sei se fique feliz ou triste com o elogio (?) se calhar preferia algo do género: “Oh… vou ter saudades tuas!” Mas enfim, no fundo e lendo nas entrelinhas é quase a mesma coisa.
Estas bolachas são simples e muito boas, e combinam com todos os recheios ou coberturas que venham à cabeça. Se não fizerem o doce de leite usem leite condensado cozido, mas acreditem não é a mesma coisa.
Usei:

175g de manteiga sem sal amolecida
200g de açúcar branco fino
2 Ovos
1 c chá de extracto de baunilha
400g de farinha (pode ser necessário mais um pouco)
1 c chá de fermento
1 c chá de sal

Fiz assim:

Peneire a farinha com o sal e o fermento. Reserve.
Bata a manteiga com o açúcar até estar fofa e pálida.
Junte os ovos batidos e a baunilha.
Finalmente deite a farinha e incorpore delicadamente com uma espátula.
Se achar que a massa está demasiado mole, (depende do grau de absorção da farinha e do tamanho dos ovos), junte mais um pouco de farinha mas não muita.
Forme dois discos grosseiros, envolva em película e guarde no frigorífico pelo menos 30 a 45 minutos.
Pré aqueça o forno a 180º e prepare dois tabuleiros forrando-os com papel vegetal ou tapete de silicone.
Sobre a bancada enfarinhada e com o rolo também enfarinhado, estenda a massa, corte com o cortador escolhido ou com um copo, e leve ao forno durante 20 minutos.
Retire e deixe arrefecer completamente sobre uma grelha antes de rechear.



Doce de leite

Versão de impressão e arquivo
Usei:

2 l de leite gordo
500g de açúcar
1 c chá de bicarbonato
1 Vagem de baunilha

Fiz assim:

Abra a vagem de baunilha com uma faca no sentido do comprimento, e raspe as sementes.
Misture o bicarbonato com o açúcar e leve ao lume com o leite e com as sementes da baunilha.
Quando levantar fervura, reduza o lume para o mínimo e deixe fervilhar muito lentamente durante 2 a 3 horas.
Mexa apenas ocasionalmente.
Quando atingir a consistência pretendida, retire do lume e bata muito bem para alisar.
Coloque em frasco esterilizado, deixe arrefecer e guarde no frigorífico.

Notas:

Esta massa pode ser congelada para posterior utilização.
Retire do congelador e deixe descongelar à temperatura ambiente antes de usar.
Pode usar qualquer outro tipo de recheio a gosto, ou apenas cobrir as bolachas com glacê usando ou não corante alimentar.
Simples também são muito boas.

Adaptado de "How to be a domestic goddess" de Nigella Lawson

quarta-feira, 3 de Junho de 2009

4 por 6 - Canelonis de courgette

Ainda não tinha sugerido no 4 por 6 nenhum prato de massa, e no entanto é o primeiro ingrediente que me vem à cabeça quando penso em todas as suas potencialidades.
Estes cannelloni não estavam programados para esta rubrica, mas depois de feitas as contas eis que encaixaram na perfeição.

Vamos então ao menu do dia:




Para entrada um delicioso Creme de cenoura e aipo.
Os cannelloni como prato principal, para sobremesa, e aproveitando o forno, asse umas maçãs polvilhadas com açúcar e canela e com uns pingos de vinho do Porto.
Acompanhei os cannelloni com rucula do meu jardim, no supermercado é muito cara e só se encontra embalada, por isso substitua por folhas de alface que é bem mais económica.








Usei:

3 Courgettes
1 Requeijão
50g de parmesão ralado na hora
1 Cebola picada
1 Dente de alho esmagado
Azeite q.b.
Sal &pimenta
8 Folhas de massa fresca
Molho de tomate
Orégãos secos ou manjericão fresco a gosto

Fiz assim:

Lave as courgetes e rale-as no ralador grosso. Reserve.
Refogue ligeiramente a cebola num fio de azeite quente deixando a cebola murchar e não alourar.
Junte o alho esmagado e a courgette, vá mexendo ocasionalmente até amolecer.
Tempere com as ervas escolhidas, sal e pimenta, retire do lume e junte o requeijão desfeito. Reserve.
Cubra o fundo de um recipiente de forno com molho de tomate.
Amoleça as folhas de massa em água quente, e em cada uma delas coloque uma porção de recheio. Enrole e coloque no tabuleiro. Repita a operação até esgotar os ingredientes.
Cubra os cannelloni com o restante molho de tomate, polvilhe com o queijo e leve ao forno até gratinar.


Quanto custou?


Dica de poupança:

Já reparou na quantidade de detergentes e materiais de limpeza que juntamos em casa?
Como é que faziam as nossas avós? A reposta é simples: sabão, vinagre, sal, limão e pouco mais.
Use uma solução de vinagre e água para limpar o interior do frigorífico, do forno e a placa do fogão.
Coloque um limão cortado dentro do frigorífico e da máquina da loiça para desodorizar.
Os derrames de gordura no forno deixam de deitar fumo se os polvilhar com sal, limpe com um pano húmido depois de arrefecer.
Para retirar manchas de calcário da loiça, coloque uma chávena com vinagre no tabuleiro superior da máquina em cada lavagem.
Use sumo de limão puro para remover marcas de batom em tecidos brancos laváveis, para tecidos de cor dilua o sumo em água.

Receita adaptada do suplemento da revista OLIVE de Junho 09 / Dica poupança: "O livro da sabedoria do lar" do Circulo de Leitores.

segunda-feira, 1 de Junho de 2009

Ossobucco

Desde Fevereiro que não se comia carne de vaca cá em casa, e também não seria agora se não fosse o ossobucco ter sorrido para mim na montra da carne.
Nunca tinha cozinhado esta peça e fiquei muito satisfeita com o resultado.
A carne é muito saborosa e tenra, e o caldo deste prato é uma delícia.
Quem me conhece sabe que eu não resisto a usar os caldos de forno para preparar risottos ou massas e desta vez não foi excepção, congeladas as sobras para quando não há tempo ou imaginação, temos uma refeição pronta em 30 minutos.


Usei:

2 Fatias de ossobucco
100g de bacon em cubos
2 c sopa de azeite
½ Chávena de farinha
Sal & pimenta
2 Cebolas picadas
1 Dente de alho picado
4 Cenouras em cubos
800g de tomate pelado escorrido e picado
1 Chávena + ½ de vinho branco
1 Chávena de caldo de carne
1 Haste de tomilho fresco, ou um ramo de cheiros para carne de vaca

Fiz assim:

Retire as gorduras grossas em volta do ossobucco, descarte a gordura.
Misture a farinha com o sal e a pimenta. Passe a carne pela farinha temperada e reserve.
Aqueça o azeite num tacho de barro e frite o bacon, quando estiver estaladiço retire com uma escumadeira.
Sele a muito bem carne de todos os lados na gordura que restou no tacho, se necessário junte o azeite. Retire e reserve.
Na mesma gordura refogue a cebola e o alho, junte as cenouras e deixe amolecer um pouco. Junte o tomate, o vinho, o caldo, as ervas e a carne. Deixe levantar fervura.
Enquanto isso aqueça o forno a 180º.
Assim que retomar fervura coloque o tacho no forno e deixe cozinhar lentamente durante 1 hora ou até a carne estar tenra.
Sirva polvilhado de salsa fresca e raspa de casca de limão.

Notas:

Este prato costuma ser acompanhado de gremolata.
Com o caldo que sobrar faça um delicioso arroz, ou coe e congele para usar em receitas que peçam caldo de carne.

Baseado na receita de ossobucco à milanesa do livro de Cordon bleu.