segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2010

Outra ausência ...

Se há dias em que não tenho duvidas sobre o que me satisfaz, outros há em que todas as duvidas surgem e eu não me consigo decidir...
Cozinhar é sem duvida um balsamo ao fim do dia, mas a adrenalina de ter uma grande estreia à porta é uma sensação sem par, e para além de me ocupar todo o tempo também me desvia a inspiração e a criatividade na cozinha.
E é isso que se está a passar comigo, a falta de tempo para inovar na cozinha e a atenção desviada para a estreia de um espectáculo á porta que estará em cena até finais de Março.
Prometo voltar em breve cheia de motivação para a cozinha e (espero) com a sensação de dever cumprido em palco.

Até lá.... Beijos

sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010

Bolo de clementinas

Esta é mais uma retirada do programa da Nigella e da qual eu gostei bastante.
Gostei do sabor intenso e da textura húmida ligeiramente granulada conferida pela amêndoa.
A confecção é fácil e depois de fervidas as clementinas tudo acontece muito rapidamente.
Bom fim-de-semana!

Usei:

4 Clementinas
250g de amêndoa moída
225g de açúcar
1 c chá de fermento
6 Ovos


Fiz assim:

Coloque as clementinas numa panela com bastante água, leve ao lume e deixe ferver durante 2 horas e até as clementinas ficarem macias. Retire do lume, escorra e deixe arrefecer.
Coloque as clementinas no processador e reduza a puré, junte a amêndoa, o açúcar, o fermento e os ovos inteiros.
Volte a ligar o processador até obter uma mistura homogénea.
Pré aqueça o forno a 190º e forre o fundo de uma forma de anel com papel vegetal.
Deite a massa na forma e leve ao forno durante 45m a 1 hora.
Deixe arrefecer dentro da forma e sobre uma grade, antes de desenformar.

Notas:

Coloque bastante água para ferver as clementinas, pois a fervura prolongada vai fazer reduzir bastante o liquido.

Receita: Nigella Bites

quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2010

4 por 6 Jardineira de lulas + Pudins de chocolate

Mais uma refeição dentro do contexto do 4 po6 6 que me surpreendeu pela facilidade, rapidez e sabor.
Esta jardineira de lulas é uma delicia e pelo facto de não lhe ser adicionado água na confecção faz com que fique com um caldo maravilhoso para ser acompanhado por umas fatias de pão saloio.
Para falar da sobremesa sou suspeita, pois como é do conhecimento geral sou “chocodependente” e por isso de mim só sairão elogios a estes pudins.
Está então na mesa o 4 por 6 desta semana!



Usei:

1Kg de lulas
150g de ervilhas
2 Cenouras
½ Chávena de polpa de tomate
100ml de vinho branco
1 Cebola
Sal & pimenta
Picante a gosto
Azeite q.b.

Fiz assim:

Corte o saco das lulas em rodelas e deixe os tentáculos inteiros.
Pique a cebola e amoleça-a no azeite quente.
Junte as cenouras em cubos, as ervilhas e a polpa de tomate, envolva e deixe suar um pouco.
Adicione as lulas, tempere de sal, pimenta e picante, mexa até as lulas ficarem opacas.
Regue com o vinho e deixe fervilhar até as lulas estarem macias.




Pudins de chocolate




Usei:

½ Chávena de leite
35g de manteiga derretida
1 Ovo ligeiramente batido
1 c chá de extracto de baunilha
½ Chávena de farinha peneirada
½ c chá de fermento peneirado
2 c sopa de cacau em pó peneirado
¼ Chávena de miolo de amêndoa moído
¾ Chávena de açúcar mascavado
1 ½ c sopa cacau peneirado
1 Chávena de água a ferver

Fiz assim:

Pré aqueça o forno a 180º, e prepare 4 ramequins untando-os ligeiramente.
Coloque o leite, a manteiga, o ovo e a baunilha numa tigela e mexa com uma vara de arames.
Junte a farinha, fermento, 2 c sopa de cacau, as amêndoas e ¼ chávena do açúcar, mexa até obter uma mistura lisa e distribua pelos ramequins.
Misture o restante açúcar com a 1 ½ c sopa de cacau e salpique sobre a massa dos pudins.
Distribua a água a ferver pelos 4 ramequins e leve ao forno durante 20 minutos.
Sirva morno ou frio.


Vamos a contas…


Dica de poupança:

Depois de usar uma vagem de baunilha, lave-a, seque-a e reutilize-a para preparar extracto colocando-a em frasco fechado e cobrindo-a de vodka.
Ou: Coloque-a num pote fechado com açúcar e assim terá sempre à mão açúcar baunilhado.

Sobremesa ligeiramente adaptada de: “Donna hay magazine” nº 45

segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010

Tagliatelli de frango e ervilhas

Tenho-me divertido muito com o programa de televisão da Nigella, a mulher tem uma série de manias das quais eu também padeço, e embora me faça confusão ela estar sempre a tirar os cabelos da boca, a maioria dos seus cozinhados agradam-me.
Esta receita deixou-me água na boca quando passou no programa Nigella bites, mas senti falta do verde, por isso quando a recriei juntei-lhe ervilhas e ainda bem… ficou uma delícia!



Usei:

1 Frango para assar
½ Chávena de manteiga
Ervas frescas a gosto (tomilho, sálvia, salsa…)
Sumo de 1 limão
3 Dentes de alho
Sal
1 Pedaço de gengibre em rodelas
1 Embalagem de tagliatelli ou ninhos
1 Haste de alecrim (não muito grande)
1 Chávena de ervilhas
¼ Chávena de sultanas
Miolo de pinhão a gosto

Fiz assim:

No almofariz, esmague os alhos com sal e as ervas, junte depois a manteiga e o sumo de limão e misture bem até obter uma pasta.
Coloque o frango num recipiente de forno, (não muito grande para não evaporar o molho), e barre-o com a pasta. Por cima disponha as rodelas de gengibre e leve ao forno quente para assar. No início tape com folha de alumínio e volte a destapar a meio.
Retire o frango do forno e deixe a repousar um pouco.
Recolha todo o molho que se formou do assado, descarte o gengibre, e coloque num tacho pequeno, junte as sultanas e o alecrim picado. Reserve.
Torre ligeiramente os pinhões numa frigideira e reserve.
Coza as ervilhas no vapor ou em imersão, escorra e reserve.
Desfie o frango de forma grosseira usando as mãos.
Coza a massa em abundante água com sal seguindo as instruções da embalagem, ou até estar “al-dente”. Escorra rapidamente.
Aqueça o molho do assado.
Coloque na travessa parte da massa, do frango e das ervilhas e regue com metade do molho, repita e termine polvilhando com os pinhões.

Notas:

Para torrar frutos secos na frigideira não use qualquer tipo de gordura, e faça-o sobre lume forte agitando constantemente a frigideira.
Assim que os frutos adquirirem o tom dourado retire-os imediatamente da frigideira para não queimarem.

sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

Banoffee ou tarte de banana e caramelo

Ou “banamelo”.
Esta foi a tradução a que chegámos aquando da nossa visita a Londres, e o nosso amigo Tom nos preparou a sua banoffee.
Quando preparei esta tarte não pude evitar umas boas gargalhadas ao comparar os métodos usados pelo Tom com os que eu usei.
Eu usei triturador para as bolachas, o Tom usou os punhos.
Eu usei uma tarteira de fundo amovível, o Tom usou um recipiente de silicone.
Eu usei um cilindro para pressionar a massa, o Tom usou uma colher.
Eu usei batedeira para bater as natas, o Tom usou uma vara de arames, (que eu tinha oferecido, senão seria um garfo).
Perguntem-me: a banoffe do Tom estava menos boa?
E eu respondo: NÂO!!! Estava deliciosa.


Usei:

300g de bolachas tipo digestivas
150g de manteiga fria em cubos
2 c chá de cacau
½ c chá de canela
3 Bananas em rodelas
250 ml de doce de leite ou 1 lata de leite condensado cozido
200 ml de natas
1 c sopa de açúcar em pó
Raspas de chocolate amargo para decorar

Fiz assim:

Coloque as bolachas no processador de alimentos e pulse até obter migalhas, junte a manteiga em cubos, o cacau e a canela e volte a pulsar até atingir a consistência de areia húmida.
Deixe repousar um pouco e verta para uma tarteira de fundo amovível, pressione com os dedos ou com as costas de uma colher até cobrir o fundo e reserve no frigorífico durante 30 minutos.
Espalhe o doce de leite sobre a base da tarte, e por cima disponha as rodelas de banana.
Bata as natas com o açúcar até ficarem firmes e volumosas e deite sobre a banana.
Reserve no frigorífico até servir.
Decore com raspas de chocolate.

Notas:

Embora já exista no mercado leite condensado cozido, se pretender faze-lo em casa proceda do seguinte modo: Coloque a lata na panela de pressão, cubra de água e deixe ferver durante 20 minutos.

quarta-feira, 3 de Fevereiro de 2010

Porco puxado ou pulled pork

E se com alguns minutos de preparação prévia, ficarmos fornecidos de comida para as emergências? Boa, não é?
Muito vulgar nos EU esta maneira de confeccionar a carne proporciona um festival de combinações possíveis, a minha preferida é com pão, pepinos de conserva, cenoura ralada e mostarda, hum….



Usei:

1,5 kg de pá de porco
3 Cebolas em rodelas
3 Maçãs em rodelas
1 Chávena de polpa de tomate
2 c sopa de açúcar mascavado
2/3 Chávena de vinagre de cidra
3 c sopa de molho inglês
3 c chá de mostarda
2 Dentes de alho ralados
2 c chá de pimentão-doce
1 Pitada de molho picante ou pimenta de caena
Sal & pimenta
¾ Chávena de água

Fiz assim:

Coloque as cebolas e as maçãs no fundo de um tabuleiro de lados altos, e por cima coloque a carne.
Misture todos os ingredientes do molho e deite sobre a carne.
Tape com folha de alumínio e coloque em forno bem quente durante 15 minutos, passado esse tempo reduza a temperatura para 140ª e deixe assar lentamente durante 4 horas.
Desfaça a carne com 2 garfos e use em sanduíches, saladas frias, acompanhe com massa ou prepare risottos.

Notas:

Panela de cozedura lenta:

Proceda como acima e coloque na panela eléctrica em baixa temperatura durante 8 horas.
Adaptado de: Baking bites

segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2010

Bacalhau com natas

Quando iniciei este blog prometi a mim mesma que nunca havia de colocar aqui esta receita, não me perguntem porquê mas fartei-me de bacalhau com natas à muitos anos atrás. No entanto é um prato que volta e meia tenho de fazer a pedido especial, e é claro que eu não nego um pedido especial, por isso e para a posterioridade, aqui fica a maneira como o faço.
Apenas uma pequena nota: na foto o molho está muito amarelinho porque usei 2 gemas de ovos caseiros cujas claras tinha usado numa sobremesa, apenas uma era o suficiente mas foi uma questão de aproveitamento.


Usei:

2 postas de bacalhau
2 cebolas
1 dente de alho
azeite
sal & pimenta
Molho bechamel
200 ml de natas
1 gema de ovo
1 c sopa de mostarda
Noz-moscada
500g de batatas

Fiz assim:

Comece por fritar as batatas em cubos. Tempere de sal e reserve.
Mergulhe o bacalhau em água a ferver, tape e deixe em repouso durante uns minutos.
Retire a pele e as espinhas e lasque grosseiramente. Reserve.
Aqueça o azeite e frite ligeiramente o alho sem deixar queimar. Junte as cebolas em rodelas finas e deixe amolecer.
Junte as lascas de bacalhau, tempere de sal e pimenta e envolva bem para tomar gosto.
Junte as batatas fritas e volte a envolver.
Prepare o bechamel tempere-o de sal, pimenta e noz-moscada, retire do lume e adicione a gema, a mostarda e as natas, mexa até ficar homogéneo.
Deite o bacalhau num recipiente de forno e deite por cima o molho.
Leve ao forno a gratinar.


Nota:

Não deixe o molho bechamel demasiado espesso, pois o mesmo vai secar um pouco no forno. Rectifique a consistência com mais ou menos leite.
Se usar molho pronto a usar, tempere-o com pimenta e noz-moscada.