terça-feira, 15 de Fevereiro de 2011

Tarte de abóbora


Um dia destes uma amiga apareceu-me á porta com uma abóbora monstruosa, a sério, era tão grande que não fui capaz de a cortar sozinha.
Parte dessa abóbora foi para esta tarte, outra parte vai sendo usada em sopas e mais de metade está congelada.
A opinião sobre a tarte não foi consensual, dos dois comilões aqui de casa um gostou e o outro nem por isso, resto eu para desempatar. Como sou um bom garfo e também uma boa colher e faca, eu cá gostei.

Usei:

Creme de abóbora:

50 ml de leite
2 c chá de farinha
175 ml de natas
425g de puré de abóbora
3 Ovos
65g de açúcar mascavado escuro
1 c sopa de açúcar granulado
1 c sopa de canela
¼ c chá de cravinho
¼ c chá de gengibre moído
½ c chá de sal fino
1 Pitada de pimenta preta
1 ½ c chá de brandy


Massa Areada Doce

200g de farinha
1 Pitada de sal
1 c chá de açúcar
100f de manteiga fria
1 Ovo
Umas gotas de extracto de baunilha

Fiz assim:

Massa:
Coloque os ingredientes da massa no processador de alimentos e pulse para combinar.
Quando a massa se aglomerar num dos lados, retire. Molde um disco grosseiro envolva em película e deixe repousar no frigorifico durante 1h.
Pré aqueça o forno a 180º.
Estenda a massa e forre uma forma de tarte. Pique o fundo e os lados com um garfo, cubra com folha de alumínio, coloque uns pesos dentro e leve ao forno durante 30 minutos, retire os pesos e a folha e deixe alourar.
Creme:
Dissolva a farinha no leite e leve ao lume até cobrir as costas de uma colher. Junte as natas e mexa até retomar fervura. Retire do lume e reserve.
Numa tigela bata os ovos com o puré. Reserve.
Misture os açúcares com as especiarias, e junte ao puré e aos ovos, junte também o brandy e as natas, misture bem.
Deite o creme na tarte e leve ao forno durante 45 minutos.
Deixe arrefecer completamente antes de cortar.

Notas:
Para fazer o creme de abóbora, corte a abóbora em fatias, retire as sementes e as fibras e leve ao forno até que amoleça.
Retire a polpa com uma colher e esmague, usando de preferência um esmagador manual ou o passe-vite. Use de imediato ou congele em doses individuais.

sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011

Risoto de peru natalino

Tal como anunciei a semana passada, as sobras do Peru Natalino transformaram-se num arroz maravilhoso.
O grande trunfo dos risotos preparados com sobras de assados é o caldo. Deglaceando o tabuleiro onde assou a carne consegue obter-se um caldo concentrado que mesmo depois de diluído mantém toda a essência do assado.
Depois disto, encarem esta publicação como uma dica e não como uma receita.

Usei:

Sobras desossadas de peru
2 Cenouras
1 Cebola
1 Chávena de arroz arbóreo (ou outro de grão curto)
½ Chávena de vinho branco
½ Chávena de parmesão (ou granna padanno) ralado
1 Fio de azeite
Raspa de laranja a gosto
Caldo q.b.

Fiz assim:

Corte as cenouras em cubos, e leve-as a cozer em água e sal ou no vapor. Reserve.
Depois de desossar o peru, reserve os ossos.
Leve o tabuleiro do assado ao lume, e quando estiver quente adicione um pouco de vinho branco (do mesmo que vai usar no arroz) e raspe o fundo com uma espátula de madeira para deglacear. Coloque o caldo numa panela com os ossos, junte um pouco de água a ferver (o suficiente para confeccionar o arroz), e deixe levantar fervura. Mantenha quente.
Refogue ligeiramente a cebola picada num fundo de azeite, e junte o arroz, envolva até ficar translúcido. Refresque com o vinho branco e quando evaporar adicione uma concha de caldo e mexa, adicione a seguinte quando a anterior tiver sido absorvida.
Repita esta operação até o arroz estar al-dente.
Junte a carne do peru e as cenouras e envolva bem, rectifique o tempero e por fim junte o queijo.
Sirva de imediato guarnecido com a raspa de laranja.

Notas:

Usei a raspa de laranja para “reflectir” o aroma da marinada inicial, se preferir pode não usar ou substituir por ervas frescas.
Depois de preparado o caldo deixe arrefecer e congele para usar posteriormente.

terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

Almôndegas

Muito raramente faço este prato, daí o facto de a receita ainda não ter tido direito a publicação.
È daquelas receitas que nunca se fazem da mesma maneira, dá sempre para acrescentar mais isto ou aquilo que está no frigorífico ou na despensa, e claro, se é Verão o molho de tomate é feito com tomates frescos e carnudos.

Usei:

800g de carne picada
1 Chávena (+ ou -) de pão ralado
1 Cebola ralada
Ervas frescas picadas a gosto (salsa, cebolinho, manjerona…)
1 Ovo ligeiramente batido
1 c chá de molho inglês
Sal & pimenta
Azeite q.b.
Pão ralado q.b. para envolver

Molho:

1 Lata grande de tomate pelado
1 Cebola picada
1 Dente de alho
1 Talo de aipo
1 c chá de açúcar
Sal & pimenta
¼ Chávena de leite

Fiz assim:

Misturar numa tigela a carne, o pão ralado, a cebola, as ervas, o ovo e o molho inglês e envolver muito bem, temperar de sal e pimenta e amassar com as mãos.
Tenda pequenas bolas e passe-as pelo pão ralado.
Aqueça uma sertã com um fio de azeite no fundo e coloque 6 a 8 almôndegas de cada vez selando-as de todos os lados.
Reserve as almôndegas, e na mesma gordura refogue ligeiramente a cebola, o alho e o aipo, mexa até os legumes ficarem macios.
Coloque o tomate picado e envolva bem. Tempere com o açúcar, sal e pimenta e deixe fervilhar em lume brando durante 20 minutos, deite o leite e quando retomar fervura junte as almôndegas e todo o liquido que entretanto deitaram, tape e deixe estufar em lume brando durante 20 a 25 minutos.

Notas:

Pode usar-se só carne de vaca, porco, peru ou frango, ou também se pode fazer uma mistura de meio vaca e meio porco.

sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2011

Peru natalino

Podem pensar que eu endoideci de vez por vos trazer uma receita de Natal em Fevereiro!
A razão é que por aqui come-se peru com frequência por isso quis testar esta receita da Nigella que mais parece que o peru é sujeito a um tratamento de beleza num SPA de aromaterapia.
Certo é que já fiz este peru há muito tempo, mas a foto ficou tão má que eu andava a evitar publica-la, lá calhou ser hoje.
Com o que sobrou desta perna e coxa de peru foi confeccionado um arrozinho muito bom. O mais certo é a reportagem aparecer por aqui brevemente.

Usei:

1 Perna e coxa de peru
Água suficiente para cobrir o peru
1 Punhado de sal
2 c sopa de pimenta preta em grão
1 Pau de canela
½ c sopa de sementes de alcaravia
2 Cravinhos
1 c sopa de pimenta da Jamaica em grão
2 Estrelas de anis
1 c sopa de mostarda amarela em grão
¼ Chávena de açúcar
1 Cebola grande em rodelas
1 Pedaço de gengibre em rodelas
2 c sopa de xarope de bordo
2 c sopa de mel
½ Molho de salsa
1 Laranja em quartos
2 Cenouras em rodelas

Para glaciar:

50g de manteiga
2 c sopa de xarope de bordo

Fiz assim:

Coloque o peru dentro de um recipiente fundo e cubra com água.
Deite para dentro todos os ingredientes acima tendo o cuidado de espremer a laranja quando a deitar para dentro do “banho”.
Deixe repousar no frigorífico durante 24 horas.
Retire a carne e seque-a. A carne deve estar á temperatura ambiente quando for para o forno.
Pré aqueça o forno a 180º.
Derreta a manteiga com o xarope de bordo e pincele a carne.
Leve ao forno durante + ou – 50 minutos, ou até ao ponto de quando espetar a carne junto ao osso sair um liquido límpido e não ensanguentado.

Notas:

Pode usar os legumes da marinada para colocar no fundo do tabuleiro, deste modo poderá depois usar os sucos para a confecção de um molho ou caldo.

terça-feira, 1 de Fevereiro de 2011

Batatinhas assadas

Quando se fazem assados, esta é uma óptima sugestão de acompanhamento e de aproveitamento do forno.
São batatas assadas não á nossa maneira mas sim á maneira inglesa.
A receita já apareceu tanto nos programas da Nigela como nos do Jamie Oliver, embora com um toque de tempero diferente elas são na sua essência a mesma receita.


Usei:

800g gramas de batatinhas
2 c sopa de banha de pato
1/3 Chávena de sêmola de trigo
Sal & pimenta
Alecrim a gosto

Fiz assim:

Corte as batatas a meio e coza-as de maneira a ficarem firmes. Escorra e reserve.
Aqueça a banha numa frigideira e salteie as batatas, polvilhe com a sêmola e tempere de sal e pimenta.
Leve ao forno aquecido a 180º durante + ou – 30 minutos.
A meio da cozedura polvilhe com o alecrim.

Notas:

O motivo pelo qual optei pela gordura de pato é porque esta é mais difícil queimar a altas temperaturas.
Se preferir pode substituir por manteiga ou azeite, e até usar outras ervas ou alho.