quarta-feira, 24 de Outubro de 2007

Sopa da pedra de Almeirim

Pelo menos em Portugal toda a gente já ouviu falar da sopa da pedra, vivendo eu em Almeirim, seria até estranho não publicar aqui a receita, que será também a minha primeira participação no colher de tacho.
Há quem diga que esta sopa está ligada a uma
lenda de um frade que andava a pedir de porta em porta, outros defendem que a sopa é da autoria da família proprietária de um dos restaurantes típicos de Almeirim, que ao Domingo são lugar de romaria, (e com razão, pois come-se e bebe-se muito bem). De uma maneira ou de outra a sopa da pedra será sempre associada aos lindos campos de Almeirim onde eu tenho o prazer de morar.




Usei:

½ Litro de feijão encarnado
200g de chispe de porco
½ Orelha de porco
100g de toucinho entremeado
½ Chouriço negro (típico)
½ Chouriço de carne
1 Farinheira
1 Cebola
1 Folha de louro
250g de batatas
½ Molho de coentros
1 Pedra

Fiz assim:

De véspera, colocar o feijão de molho, escaldar e raspar a orelha e salgar as carnes.
Colocar o feijão a cozer em bastante água com a cebola e a folha de louro, depois de ferver um pouco colocar os enchidos, (com a excepção da farinheira), e as carnes.
Descascar as batatas e cortar em cubos muito pequeninos, reservar.
Ir retirando da panela as carnes à medida que vão ficando cozidas, umas cozem primeiro que outras, deixar arrefecer e cortar em pedaços e os enchidos ás rodelas.
Quando o feijão estiver cozido, juntar as batatas e a farinheira, deixar cozer a batata, retirar a farinheira que se corta também.
Quase no final juntar os coentros picadinhos e as carnes, mexer, rectificar os temperos, deixar levantar fervura e servir com a pedra no fundo da sopeira.

Notas:

Costumo fazer esta sopa de Inverno numa púcara de barro no lume de lareira.
Se o feijão for do próprio ano, não necessita ser demolhado.
Também pode ser usado feijão manteiga, eu até prefiro por ser mais cremoso.
O chouriço negro é conhecido em algumas regiões por morcela ou chouriço de sangue.
Não indiquei quantidade de sal na receita pelo facto das carnes e os enchidos serem salgados, prove e rectifique a gosto.
Na minha foto não aparecem as carnes, porque gostamos de as servir à parte, por isso me esqueci de as incluir no prato para fotografar.
Esta receita não dispensa uma visita a Almeirim, nem umas boas fatias de pão caseiro e vinho tinto Ribatejano.

39 comentários:

  1. Esta sopa é mais que uma sopa, é tão rica que para mim serve de refeição completa. Por acaso só a comi uma vez e adorei.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Antes de tudo amei o post! Agora sabe que tem um restaurante em São Paulo que serve essa sopa de pedra eu não sei te dizer se eles são fieis a receita original pois nunca comi mas fiquei tão encantada com seu post que confeso estar morrendo de vontade de fazer. Linda participação a sua!

    ResponderEliminar
  3. Marizé, adorei o nome da sopa e mais ainda ao ver os ingredientes que leva! Deve ser uma delícia! Ótima sugestão para o colher!

    ResponderEliminar
  4. Boa, muiiiiiiiiiiiiiito boa! Já não como há anos por não comer carne... Adorava... Obrigada por me lembrares desta sopinha!!!!
    Beijinhos para ti e festinhas e beijinhos na Brida

    ResponderEliminar
  5. Desculpe a ignorância, mas a pedra serve para mnter a temperatura da sopa quente, certo?
    bjinho.

    ResponderEliminar
  6. Quando ouvia falar em sopa de pedra não imaginava que era essa delícia!!!!

    ResponderEliminar
  7. Nina, a pedra faz parte da lenda que está na origem da sopa, dê uma vista de olhos no link do post, e depois me diga se gostou.
    Beijocas

    ResponderEliminar
  8. Dei uma lida no link que me enviou. E eu achando que era apenas para aquecer! É um prato folclórico, da tua terra. Obrigada por compartilhar estas informações sobre cultura com a agente.
    bjo.

    ResponderEliminar
  9. Hummm...Marizé! Que bela participação para o Colher! Adorei o aspecto da sopa! Está mesmo de consolar corpo e alma! Mas vou confessar uma coisa...nunca comi uma sopa de pedra decente, isto é, num sítio onde fosse de qualidade reconhecida... Um dia vou a Almeirim, deliciar-me!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  10. Gosto imenso de sopa de pedra e não como há anos...fiquei cheia de vontade ao olhar para a tua. Vou já dizer à Farófia, que ela ainda gosta mais do que eu desta sopinha.

    bjs

    ResponderEliminar
  11. Sempre que posso não a perco. Esta devia estar uma delícia.

    ResponderEliminar
  12. Esta sopa de pedra só de ver já apetece comer... Você sabe fazer pão de milho, parece-me que é um pão tipicamente português. Bjs!

    ResponderEliminar
  13. Oi Cris, nunca fiz pão de milho, como é muito vulgar por aqui encontra-se facilmente, penso que um dia vi uma receita na Cinara.
    Vou pesquisar e depois digo.
    Beijocas

    ResponderEliminar
  14. Marizé, mas essa pedra da receita, e pedra de verdade mesmo??? qualeur tipo de pedra???

    Fiquei um tanto qto curiosa com essa receita!!! Adore receita com origem!!!!

    Bjundas

    ResponderEliminar
  15. Com tudo o que é de direito!!! :P
    bj

    ResponderEliminar
  16. Marizé, a história da sopa de pedra é muito legal! a sua sopa está divina, adorei seu modo de fazer. beijo!

    ResponderEliminar
  17. Há tanto tempo que não passo por aí para me deliciar com uma.Já há muito levaram-me a um restaurante . Gostei bastante. Na altura sabia o nome mas agora já me escapou.Passando a publicidade, qual o melhor para a comer?
    boa semana

    ResponderEliminar
  18. Turbulenta minha amiga, como deves calcular não posso enumerar nenhum aqui neste espaço, mas posso dizer-lhe por e-mail, tenho todo o gosto, mas com a condição de me avisar e vamos juntas. OK?
    Beijocas

    ResponderEliminar
  19. E eu que gosto de tudo o que é sopas e cremes... que fomecas =P
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. Marizé, tenho que te dizer que não gosto muito feijões, no geral, de leguminosos. Uma vez disse à Cinara que talvez não tenha experimentado O Sr.Feijão, gostoso!
    Posso dizer que a foto ficou por demais apetitosa, e pena que estou longe, senão iria contigo e com a Ana comer in loco! Quem sabe a birra passava...
    Beijinhos,

    ResponderEliminar
  21. Essa sopa é maravilhosa e uma autêntica refeição!

    ResponderEliminar
  22. Querida amiga eu gostava de comer uma sopinha de pedra pois ainda nunca comi manda uma para mim.um beijo Natércia...

    ResponderEliminar
  23. Não como sopa de pedra em Almeirim desde miuda, quando o meu pai e o meu tio nos levavam de propósito só para comer este manjar dos deuses...
    Será que é desta que vou fazer? Acho que sim, não dá para resistir à belissima foto...
    beijinhos.

    ResponderEliminar
  24. Querida Marizé

    Ai,que saudades do sopa da pedra de Almeirim.
    Durante muitos e muitos anos,iamos lá muitas vezes ao tal restaurante que fala,pois meus pais conhecem os proprietários.Sempre fomos fieis a eles.Aliás há muita imitação de sopa da pedra,mas para se comer a verdadeira tem-se que ir a Almeirim,mas não é todos os retaurantes que a sabem fazer.
    Um prato dessa sopa é uma refeição completa,só de pensar nos enchidos que leva...ai,Jesus...até me salivo toda...rssss
    Bjs

    ResponderEliminar
  25. Marizé tambem conheço a sopa e fui saboria-la no restaurante aí em Almerim ao pé da praça de touros não posso dizer mais e realmente estava uma delicia o que não gostei foi do tempo de espera no dito (2 horas)

    ResponderEliminar
  26. Olá Marizé,
    Tenho imensas saudades da sopa da pedra de Almeirim e também de Almeirim. Vivi durante algum tempo em Santarém e fui várias vezes a Almeirim comer a sopa da pedra. Uma delícia! Vives numa bela região.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  27. Adoro sopa de pedra, mas nunca fiz.
    Já "guardei" a receita para me aventurar.
    E já comia um pouco que a hora de almoço aproxima-se...

    ResponderEliminar
  28. marizé, eu adoro sopa, e essa sua está demais!!!!
    bjos

    ResponderEliminar
  29. Essa sopa tem mesmo um aspecto fabuloso. Parabéns! Bjs!

    ResponderEliminar
  30. Marizé que delícia de prato! e a tua louça também é linda.

    ResponderEliminar
  31. nunca tinha visto uma receita de sopa de pedra, ja ouvi falar, é curioso ! E deve ser deliciosa, adorei a tua louça ! bjs

    ResponderEliminar
  32. Marizé, nota-se que essa sopinha tem truques de quem a aprendeu no sítio certo! A textura, a cor!
    Com uma "caralhota" e um tinto dos nossos, uiii!

    ResponderEliminar
  33. esta sopa � uma delicia...e s� se come mesmo bnem a sopinha da pedar em almeirim mesmo...........qualquer vou a� a almeirim............bjokas minha querida

    ResponderEliminar
  34. Olá, já que é de Almeirim, pode-me ajudar na escolha de um restaurante aí para comer no sábado uma boa sopa da pedra, com um preço acessível.
    Obrigada. Sílvia

    ResponderEliminar
  35. Silvia: faculte-me o seu endereço de mail para eu lhe poder responder.
    Não o vou fazer aqui pois não quero prejudicar nenhum restaurante, e como os conheço a todos.... percebe?!

    ResponderEliminar
  36. me diga miga a pedra tambem se come......

    ResponderEliminar
  37. Anónimo: Se conseguir... :-)
    Agora a sério: não, não se come. A pedra faz parte da lenda que envolve esta sopa.

    ResponderEliminar

Regras:
- Os comentários de spam e publicidade serão imediatamente apagados.
- Os comentários anónimos são permitidos mas moderados.
- Os comentários não reflectem a opinião dos administradores do blog.
- As questões colocadas serão exclarecidas via e-mail se o mesmo for disponibilizado pelo comentador.
- A sua opinião é importante para nós.